Print this page

Um homem ao serviço de muitas causas…

20 October 2021 Author :  

Como imortalizar o seu legado?

Falar da vida e obra de Sua Eminência o Cardeal Dom Alexandre José Maria dos Santos é, e será sempre um exercício que exige elevada capacidade de abstração para narrar todo um percurso e uma trajectória (caracterizados por suas incansáveis lutas, suas vitórias e porque não suas derrotas), e todos eventos que caracterizaram a odisseia religiosa, educacional e humanística desta que é uma figura incontornável na história de Moçambique. Para não pecar por soberba, e não perder de vista o objectivo deste texto de agradecimento, enaltecimento e despedida, focar-me-ei apenas no cerne - Um Homem ao serviço de muitas causas.

A Época Medieval é cronologicamente considerada o período mais longo da história da humanidade (com mais de 1000 anos). Período este marcado pelo surgimento das primeiras Universidades no mundo. Nesta época, a filosofia e a teologia viveram de forma única a rivalidade entre a fé religiosa e a razão científica; um conflito que opunha a religião à ciência e desafiava a cada instante as tentativas de conciliação e harmonização destes dois domínios do saber sem necessariamente anulá-los, numa fórmula traduzida na fé alicerçada na razão e, na razão que ajudaria a perceber a fé. (Intellectus quaerens fidem, et fides quarens intellectum.

Um dos mais brilhantes e notáveis pensadores da época em alusão foi Tomás de Aquino - (figura que desempenhou grande influência na cosmovisão teológica e educacional de Sua Eminência o Senhor Cardeal Dom Alexandre). Durante o seu percurso académico Tomás de Aquino foi instruído por Alexandre Magno (o Grande). Curiosamente, o nome Alexandre, mestre de Tomás de Aquino é o nome de baptismo do Senhor Cardeal - aproximações e coincidências que corroboram para a ideia da grandeza do nome em referência.

De certo, nestas breves linhas é complicado falar dos 103 anos de vida do Senhor Cardeal, tempo em que viveu e fez viver, tempo em que disseminou a fé, comunicou a esperança, semeou o amor e educou o seu povo. Na sua peregrinação terrena colheu os frutos da sua incansável luta por uma sociedade mais capaz, mais justa e intelectualmente emancipada. E são esses frutos que se devem encarregar de garantir a continuidade dos seus ideais.

Dom Alexandre foi muito mais do que uma figura eclesiástica comprometida com a causa do bem-estar social, crescimento, coesão da Igreja Católica e do catolicismo em Moçambique, do Ecumenismo vibrante e da difusão da mensagem de Deus por todo o lado e em várias línguas. Para ele a fé tinha o poder de quebrar barreiras e unir povos (sejam eles considerados civilizados ou indígenas), e para isso as línguas nativas serviram de veículo e ferramenta estratégica de penetração e evangelização nas comunidades.

Foi um incansável peregrino da paz; astuto e apaixonado amante pela ideia de uma educação para todos e em todos níveis. Sua filosofia e ideia transformadora era clara – somente investindo mais e expandindo a educação se poderia criar bases sólidas para emancipar e desenvolver a nação, e consequentemente sonhar com um Moçambique mais inclusivo e mais próspero. Daí a sua luta assaz contra a pobreza absoluta e o seu compromisso vincado com a formação do Homem.

Sua grandeza transcende a imagem que muitos de nós temos – Patriarca da Igreja, primeiro Sacerdote e Bispo moçambicano. Na verdade Dom Alexandre foi um cultor, um educador visionário e um humanista douto com visão ampla da realidade do país e com cega convicção de que a educação do homem conduz à libertação e à emancipação das mentes dos moçambicanos.

Dos vários momentos de partilha, fossem eles na Universidade, na Igreja e nos Seminários bem como em eventos públicos e privados, algo deliberadamente se repetia, entre a preocupação presente e o sonho futuro: o paradoxo entre a riqueza do país e a incapacidade de transformar essa riqueza em algo útil para os moçambicanos. Segundo dizia, Moçambique não é um país pobre; pelo contrário, é muito rico e mal explorado. O problema reside na falta de preparo e no défice enorme de conhecimento e precisa-se de mentes para transformar esta riqueza no bem-estar de todos.

As lentes visionárias do futuro, a crença na mudança de paradigma social, económico e educacional, e a transversalidade primeiro do seu pensamento, e depois da sua acção fizeram de Dom Alexandre José Maria dos Santos uma das figuras de Moçambique contemporâneo de maior destaque, com projectos e obras transgeracionais que vão desde a formação de Padres dentro e fora do país, passando pela intermediação do conflito entre a FRELIMO e a RENAMO que culminou com a assinatura dos Acordos Gerais de Paz (1992), à formação de vários quadros superiores em várias áreas e domínios do saber.

Dom Alexandre, foi um dos mais sagazes impulsionadores das artes liberais e ciências do espírito no país, e desafiou centenas de jovens estudantes universitários e seminaristas (fazendo uso de ferramentas éticas, teológicas, filosóficas, e humanísticas) a pensarem com liberdade intelectual, e de forma crítica e analítica, uma postura importante para a edificação de um Moçambique melhor. Foi um cultor do saber Ser, saber Estar e saber Fazer. Foi acima de tudo, alguém muito preocupado com as questões éticas e com a dimensão da dignidade humana – ditames estes herdados da filosofia escolástico-medieval de São Tomás de Aquino.

E é sobre estes e outros feitos de Sua Eminência o Cardeal Dom Alexandre, que nós, a geração do hoje devemos assentar a nossa reflexão e acção. Replicar vivamente sobre as gerações vindouras e incutir a necessidade permanente de pensar no Outro; Uma reflexão centrada no homem concreto como um fim e não como um meio. Viver e ensinar a criação de modalidades e estratégias de desenvolvimento do que foi iniciado por Dom Alexandre.

A coragem para iniciar novos e ambiciosos projectos, a ideia viva e prática do altruísmo, o espírito de criar e buscar novas realidades, e o desejo de ver um país mais educado, desenvolvido e próspero são algumas das licções práticas que Sua Eminência o Cardeal Dom Alexandre nos deixa. Foi mais de um século de um homem talhado para a vida do bem-estar do próximo. Saibamos viver e honrar os seus feitos, os seus ensinamentos e imortalizar sua obra fazendo do nosso país uma referência no rendez-vous civilizacional.

Obrigado e até sempre Cardeal Dom Alexandre!

Por: Hélio Guiliche (Filósofo)

425 Views
Celso Pechisso

Latest from  Celso Pechisso

We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…